The Roll-Over With Legs Spread – Por Myra Hirano

The Roll-Over With Legs Spread – both ways (rolamento para trás com pernas afastadas – em ambos sentidos) é o nome de origem do exercício Rollover do repertório do Mat de Joseph Pilates. Basicamente o nome já explica do que se trata o movimento: rolar a coluna para trás levando as pernas por cima da cabeça, afastar as pernas para voltar e depois inverter a posição das pernas, iniciando afastadas e retornando unidas.

Na sequência completa, ele se encaixa perfeitamente na terceira posição, seguido do seu “primo” Roll Up (veja o vídeo a seguir com o Joseph Pilates executando os dois) . Pense no Rollover como um Roll Up invertido, em ambos adotamos o mesmo formato corporal em flexão, só que diferente. Igual mas diferente, complexo como Pilates é! Vem ver 😉

Apesar de estar no começo da sequência, o Rollover é um exercício de nível avançado. É preciso ter o controle corporal entre força, estabilidade, mobilização e flexibilidade para executar o exercício com fluidez e segurança.

Alcançar o nível avançado em qualquer prática não é tarefa simples nem fácil. É preciso muita disciplina e prática séria, sempre com o objetivo de dominar os repertórios gradativamente respeitando as necessidades individuais de cada um.

Existem algumas formas mais simples de executar o Rollover, são variações facilitadoras ou fracionadas do movimento e por isso você não deve desanimar se ainda não consegue executá-lo. Veja um tutorial completo com Alisa Wyatt do Pilatesology:

As máquinas e acessórios criados por Joseph Pilates serão os seus principais aliados. O Sistema original de Pilates funciona desta forma Mat + máquinas + necessidades indiviuais = sucesso! Vamos observar alguns dos exercícios e acessórios criados por Joseph que nos ajudam a construir o Rollover:

  • Acessórios:

– Mat

– Spine Corrector

  • Repertório Mat Pilates que antecede o Rollover:

– Hundred

– Roll Up

  • Repertório Reformer:

– Hundred

– Coordination

– Short Spine Massage

– Short Box – Tree

– Long Spine

  • Repertório Cadillac:

– Hundred

– Monkey

– Tower

– Short Spine

  • Repertório Chair:

– Push Down/Hamstring

– Pull Up

– Jack-knife


Algumas dicas para o sucesso:

  • Aquecimento: mesmo que você já esteja acostumado a fazer o Rollover nunca o faça sem estar aquecido! Se você é iniciante-intermediário, o pré-pilates pode ajudar a te aquecer melhor.
  • Powerhouse: sem ele nada somos! O Rollover é um exercício em que fazemos a flexão do corpo, com foco nos flexores do tronco e do quadril. É preciso dominar o conceito de Powerhouse conseguirpara elevar o quadril do chão com as pernas para uma direção por cima da cabeça.
  • Sem impulso!: não use o impulso das pernas jogando-as sem controlepara trás, pode ser perigoso principalmente para compressões indevidas da coluna e você não estará dando o foco correto do exercício.
  • Respiração: não prenda o ar quando estiver realizando este exercício! Preste atenção na sua respiração ao enrolar a coluna vértebra por vértebra.
  • Alongamento Axial: cuidado com a curva “c” da coluna. Certifique-se que o alongamento axial está presente protegendo das compressões.
  • Estabilização: muito importante! O apoio dos ombros, da cintura escapular deve estar firme no chão. O cuidado é redobrado quanto à cervical.
  • A maior dica: você nunca alcançará o Rollover treinando só o Rollover! É preciso praticar o método de acordo com o seu Sistema, nivelando gradativamente e respeitando as suas necessidades individuais.

O método Pilates é lindo e complexo! Concordam?

Deixe sua opinião ou compartilhe a sua experiência conosco!

Um bom retorno à vida a todos!

Myra

Posso fazer Pilates durante a gravidez? – Por Myra Hirano

Resposta curta: Pode e deve! Pilates é um programa de exercícios físicos  criado por Joseph Pilates, de baixo impacto e intensidade moderada. É consenso mundial os benefícios da prática regular de atividades moderadas para a gestante e o feto.

Permissão: Toda e qualquer atividade física só deve ser praticada por uma gestante saudável com liberação de seu médico obstetra e sob supervisão de um profissional capacitado.

 

Foto: Pilatesology.

É preciso saber: o corpo da mulher grávida se transforma e se adapta constantemente à gestação durante um período de até 40 semanas. Por isso, a prática do pilates também deve se adaptar. No Pilates Clássico, algumas posições e exercícios são facilmente modificadas para acompanhar cada gestante, considerando a individualidade, o período gestacional e o nível da praticante.

Posso praticar Pilates no começo da gestação? Sim! Desde que o obstetra permita a prática de exercícos físicos.

Nunca fiz Pilates. Posso começar a praticar na gestação? Sim, desde que tenha aprovação médica. Recomenda-se também iniciar aulas de Pilates particulares ou em turmas específicas para grávidas. Em caso de sedentarismo, a gestante saudável pode iniciar a prática física, com segurança, até a 30ª semana de gestação.

Em 2002, o ACOG (American College of Obstetricians and Gynecologists) determinou em suas diretrizes que, se a gestação for saudável, as atividades físicas prévias devem ser mantidas. Recomendam, ainda, que as mulheres sedentárias devem iniciar algum exercício durante o período gestacional.”

Posso praticar Pilates durante toda a gestação? Sim. Porém mais uma vez ressalta-se a importância do atestado de seu obstetra.

 

Foto: pureformpilates.co.za.

Benefícios do Pilates para a gestante:

  • Diminuição do risco de diabetes gestacional.
  • Diminuição da dor na região lombar e cintura pélvica.
  • Proporciona fortalecimento muscular.
  • Melhora a flexibilidade muscular.
  • Melhora a resistência muscular.
  • Proporciona manutenção da postura.
  • Melhora a função cardiovascular.
  • Diminuição do risco de hipertensão gestacional.
  • Auxilia o controle de peso quando o suprimento gestacional está balanceado.
  • Beneficia a saúde mental e emocional, diminuindo o risco de depressão pós-parto.
  • Diminuição de edema.
  • Diminuição de cãibras musculares.
  • Diminuição de possíveis dores nas mãos e punhos por causa da retenção líquida.
  • Diminuição da perda de massa óssea.
  • Contribui para a prevenção de distúrbios do assoalho pélvico (AP) associados à gravidez, desde que sejam adicionados aos exercícios do Método Pilates, exercícios específicos para a musculatura desse assoalho. (Contrações voluntárias da musculatura do AP)

 

Colagem: Pilates Centre. Fonte: Twitter.

Gravidinhas, façam Pilates e obtenham muitooos benefícios!

Um bom retorno à vida a todos!

Myra

Fonte consultada: “Fisioterapia Obstétrica Baseada em Evidências.” Andrea Lemos, 2014, Medbook.

Existe algum Pilates no seu Pilates?

Inspirada no artigo da Alycea Ungaro no Pilates About “Is There Any Pilates in Your Pilates?”, resolvi escrever sobre o asunto por aqui também. A Alycea vai mais afundo na questão, pautando alguns itens essenciais para que os praticantes entendam se estão recebendo Pilates ou outra técnica “misturada”, quando se matriculam em uma aula intitulada Pilates. Veja o artigo na íntegra clicando aqui.

Mas infelizmente não cabe a mim entrar nesses detalhes citados por ela pois sei que principalmente no Brasil existem muitas dificuldades de se conseguir trabalhar com o Real Sistema do Pilates, dificultando o trabalho em seu maior potencial, exemplos: poucas escolas de Pilates devidamente qualificadas para ensinar a técnica de Joseph, fabricação de aparelhos completamente modificados ao ponto de perder muitas funções e corromper o sistema eliminando a fabricação de muitos deles, restringindo portanto a técnica e principalmente o seu valor, que hoje também é deturpado por lugares de baixíssima qualidade e por isso baixo preço!

 

Foto incrível de Kathi Ross- Nash na Arm Chair , aparelho essencial para o Sistema Pilates . Fonte: ilariacavagna.com

Mas no Brasil estamos evoluindo para melhorar tais condições, como a criação do Nanô Pilates Aparelhos, uma marca de aparelhos originais do Método Pilates, e também com o surgimento de mais conferências e Workshops com profissionais que ensinam o Sistema real, dentre outros fatores.

Por outro lado, ler esse texto da Alycea me fez refletir como seria no Brasil, onde a cada mês surge um novo “tipo” de Pilates, um indivíduo que acabara de se matricular em um lugar que tem a palavra Pilates na porta poderia saber se realmente está praticando esta técnica, ou se é uma aula bem misturada de exercícios diversos, onde do Sistema Pilates nada tem, portanto não colherá seus benefícios.

 

Foto: pilates-gratz.com

Eu como instrutora, estudiosa e praticante de Pilates há 10 anos, já me fiz essa pergunta algumas vezes: Isso é Pilates? Imagina para quem está chegando agora? Mas eu tive a oportunidade, por estudar e trabalhar com a técnica, de conhecer muitos “Pilates” e conseguir chegar na raiz para entender e encontrar muitas respostas.

Por esse meu caminho onde passei, já compartilhei um pouco da minha experiência por aqui, através de postagens aqui no Blog: “O que é Pilates“, “Distorções e verdades sobre o Pilates Clássico“, “Os verdadeiros fundamentos do Método Pilates“, dentre outras.

Hoje, refletindo sobre aquele praticante iniciante que está começando a praticar Pilates pensei que a forma mais fácil e simples de saber se o serviço que ele contratou realmente é este, seria através dos exercícios do Mat, pois se não há Mat não há Pilates! Independente de ser da linha clássica ou contemporânea, deve haver a prática da sequência de exercícios do repertório do Mat Pilates.

Fotos de Joseph Pilates realizando alguns de seus exercícios do Mat no seu livro Return to Life, 1945.

Qualquer outra modalidade que tenha o nome Pilates no começo, no meio ou no fim e NÃO oferecer no mínimo os exercícios básicos da sequência do Mat NÃO É PILATES! Esteja certo disto!!! E se alguém ou algum lugar vende qualquer coisa com o nome de outra, desconfie de sua seriedade,qualidade e eficácia.

No vídeo a seguir, Alisa Wyatt do Pilatesology mostra uma aula de Mat Pilates linda e eficiente de apenas 15 min. Se você está em dúvida sobre a técnica que pratica, assista o vídeo! Se NENHUM desses exercícios lhe for familiar, procure outro lugar para conhecer Pilates.

Eu desejo que todas as modalidades de atividade física e esportes tenham no futuro o seu lugar e o seu respeito. Eu tentarei enquanto estiver aqui, buscar, defender e esclarecer tudo que estiver ao meu alcance sobre a técnica de Joseph Pilates, o seu legado, a sua originalidade e genialidade brilhante!

Pratique Pilates consciente do que você está fazendo ou oferecendo!

Um bom retorno à vida a todos!
Myra

Pré-pilates: como aplicar e principalmente, como dosar? – Por Myra Hirano

Pré-pilates como o nome já sugere, significa a parte que antecede o Pilates propriamente dito. É o começo ou podemos dizer que é uma preparação que já funciona como um aquecimento da aula de Pilates. Além disso, gosto do fato de alguns clientes precisarem despertar o corpo antes de começar a aula, muitos precisam levar a atenção que está perdida para si próprio, para o próprio corpo. Mas também precisamos saber dosar o quanto desses exercícios precisamos realmente dar.

Joseph Pilates não descreveu esse termo, mas podemos observar nos poucos arquivos que temos dele, que em algumas de suas aulas em grupo no famoso Jacob’s Pillow ele dava alguns exercícios/movimentos como o simples e tradicional polichinelo, provavelmente para aquecer o corpo antes de começar. Video:

O fato é que não existe um repertório específico de exercícios Pré-pilates dentro do sistema da Contrologia e com isso existe uma grande diversidade de movimentos que podemos utilizar com o objetivo de preparação para a aula. Essa tarefa parece mas não é fácil. Precisamos para isso entender se há mesmo a necessidade de criarmos um repertório novo e extenso para tal. E também compreender se todos os clientes precisarão do Pré-pilates.

Sabe-se que devido a complexidade e profundidade que é a Técnica de Pilates, alguns anciãos criaram suas pequenas séries e exercícios especiais de Pré-pilates como uma ferramenta para auxiliar o aluno iniciante a começar a entender e a alcançar a Contrologia.

Romana Kryzanowska utilizou muitos exercícios na posição sentada e também na parede (clique aqui). Criou também uma série como dever de casa chamada Tv exercises para que as pessoas pudessem fazer a qualquer momemento, principalmente se você tiver uma Wunda Chair, aparelho criado por Joseph para termos em casa.

Kathy Grant criou exercícios para tal e os denominou “Before the Hundred” (Antes do Hundred). Hoje sua discípula, a incrível Cara Reeser tem um Workshop que aborda justamente este tema e nos presenteia com os ensinamentos de Kathy. Vídeo abaixo, disponível no Pilates Anytime.

Eve Gentry também criou muitos exercícios preparatórios, muitos ligados a respiração e movimentos integrados.

Mas vejam bem, eu penso que já aquecemos nos exercícios da fundação (veja um texto sobre eles aqui) que são os do início da sequência do Mat Pilates. O primeiro de todos é o Hundred, esse exercício denominado pelo criador em sua obra Return to life como exercício introdutório, deve ser o primeiro sempre, justamente pelo fato de aquecer o corpo através da respiração em conjunto com o movimento de bombear dos braços. O que eu percebo muito claro é o fato desses exercícios da fundação já serem uma preparação e um aquecimento do corpo para conseguir realizar a aula completa e evoluir com a prática. Obviamente, um aluno iniciante no Pilates não conseguirá realizar esses exerícios em sua forma original, mas existem inúmeras adaptações facilitadoras para que possamos construir esses movimentos com qualquer indivíduo, basta conhecer a essência de cada exercício.

O que eu quero dizer com esse meu entendimento é que para um aluno iniciante, talvez o Pré-pilates seja indispensável, mas para um aluno que já domina o repertório básico-intermediário, a meu ver não sei se ele sempre precisará começar com mobilizações, por exemplo. O Hundred para ele já é um aquecimento suficiente e os demais exercícios da fundação também.

Então eu caracterizo o Pré-pilates como uma ferramenta para me auxiliar caso eu precise dela. Eu tenho utilizado o Pré-pilates com clientes que precisam ainda entender os conceitos, a postura do Pilates, pois o Pré-pilates também nos ajuda muito com a conscienscia corporal ou ainda para alguem que tenha alguma limitação por uma patologia da coluna. Eu listaria assim:

  • Iniciantes no Método Pilates
  • Patologias limitantes
  • Idosos (osteoporose)
  • Gestantes

Quando eu planejo minhas aulas eu penso em alguns fatores que precisam estar presentes no Pré-pilates:

  • Respiração
  • Mobilização
  • Acionamento muscular
  • Alinhamento postural
  • Posições fundamentais
  • Conceitos: Powerhouse, Scoop, Linha média, Caixa, Curva C.
  • Exercícios específicos para o assoalho pélvico
  • Movimentos do Pés

Eu não preciso mais que 10 minutos para o Pré-pilates e já me policiei muito em não ficar só nas mobilizações e preparações por muito tempo, até porque minha formação inicial foi a Fisioterapia, mas temos que compreender muito bem o Método que estamos trabalhando e o cliente que está na nossa frente, e não fazer com que a limitação dele seja nós profissionais. Devemos dosar bem o quanto desse aquecimento é necessário para conseguirmos evoluir o nosso cliente na técnica.

Segue alguns exercícios interessantes para nos inspirar:

E vocês, o que acham? Isso tudo faz sentido para vocês também? Compartilhe sua experiência nos comentários!
Praticante ou professor, sejam sempre bem-vindos!

Até terça que vem com mais Pilates!

Um bom retorno à vida a todos!

Myra
Fontes consultadas:

pilatesforlife.com

pilatesandrea.com

pilatesology.com

pilates.about.com 

Your Health. Pilates,J

Return to Life. Pilates, J

A parede, os pesos e exercícios pré Pilates. Perez J, Hakabooks

Methods of group exercises instruction. Kennedy C, human Kinetics

Um Ensaio Fotográfico Deslumbrante Para Fazer Você Repensar Sobre Como é um Corpo de Pilates- Larkin Clark por Myra Hirano

Às vezes Anula Maiberg surpreende os alunos em sua aula de Pilates. E não porque a co-fundadora do Estúdio Sixth Street Pilates no centro da cidade de Nova York é coberta de tatuagens e tem uma cabeleira loira esbranquicada, mas sim porque em tempos de Instagram com nossos feeds recheados de esbeltas modelos do fitness em seus selfies, a instrutora israelense simplesmente não se encaixa nesse estereótipo.

“Às vezes os novos alunos entram e levam um minuto para ajustarem suas percepções”, diz Maiberg, pontuando com uma risada. “Isso me motiva a ensinar uma aula melhor ainda.” Com suas curvas suaves e músculos tonificados, porém não traçados, ela passou um bom tempo refletindo sobre a forma do seu corpo. Como instrutor, diz ela, há uma certa pressão que você seja de um certo tipo físico, e ela não se encaixa nesse molde. Na verdade, ela ainda não se considera uma “pessoa do fitness”, como ela diz, mas está tão convencida do poder transformador do Pilates que ela dedicou sua vida a ele (ela é co-proprietária de seu estúdio East Village com Jeremy Laverdure).

Maiberg recentemente teve a chance de comemorar o seu amor pela prática quando foi convidada para fazer parte da MarchMatness, uma campanha lançada pelo guru do Pilates Benjamin Degenhardt. A Campanha consiste em espalhar a consciência em torno do trabalho tradicional de Joseph Pilates através dos exercicios do Mat Pilates, incentivando os membros da comunidade do Pilates a postar fotos de poses do livro original do Pilates, Return to Life Through Contrology, nas mídias sociais.

Quando ela decidiu fazer o MarchMatness, Maiberg admite que ficou tensa pois um monte de celebridades do fitness iam participar e ela sabia que não poderia (e não queria) competir com essas pessoas que estavam fazendo seus posts “perfeitos”. Mas então ela percebeu que poderia ser criativa e fazer algo que ninguém mais estava fazendo: postar fotos de si mesma sendo, ora, ela mesma.

Maiberg uniu-se com amigas fotógrafas, Emily Johnston e Deneka Peniston, para fotografarem ela fazendo Pilates no estúdio e em sua casa, vestindo roupas que ela ama e usa dentro e fora do estúdio (vestidos vintage e leggings arrojadas). Maiberg queria mostrar como o Pilates se parece em uma pessoa real, na vida real, e para provar que você não tem que ter um corpo esteriotipicamente magro e sarado para fazê-lo. “O projeto fotográfico definitivamente fez eu me sentir mais vulnerável”, lembra ela. “Eu estava com medo que todos os comentários seriam do tipo: Porque é que essa menina gorda está fazendo Pilates?”

Mas isso nunca aconteceu; ao invés disso, houve um feedback super positivo. “As pessoas no Facebook e no site do MarchMatness deixaram comentários dizendo que era bom ver diferentes formas representando. Algumas pessoas ainda disseram que os fez perceber que eles também poderiam fazer Pilates, e que não era só para as meninas magras e bailarinas. Valeu a pena o medo de estar no centro das atenções. ”

 

Foto: Deneka Peniston

 

Foto: Emily Johnston

 

Foto: Denek Peniston

 

Foto: Emily Johnston

 

Foto: Emily Johnston

 
“Uma não-modelo fazendo Pilates com um corpo que nos faz lembrar de nos mesmos.”

-Larkin Clark

Para saber mais sobre Maiberg e manter contato com seus projetos fotograficos, acesse o site: sixthstreetpilatesny.com

Texto extraido do Blog Well + Good e traduzido por Myra Hirano com o consentimento de Anula Maiberg.

Espero que tenham gostado e encorajado vocês!

Pilates é para TODOS!!!!!

Movimente-se!

Um bom retorno à vida!

Myra

IG: @myrapilates

Os Verdadeiros Fundamentos do Método Pilates – por Myra Hirano

Hoje estou super feliz pois esse é o post nº100 do Blog Myra Pilates e o meu 20º texto sobre o Método Pilates. Por aqui eu já escrevi sobre a teoria, fiz análise de alguns exercícios, mostrei um pouco do que eu penso, da minha experiência, já entrevistei experts no assunto e sempre com a abordagem da linha Clássica de Pilates. Tudo isso com o intuito de levar informação fidedigna para quem se interessar e um incentivo ao estudo e a análise para os pilateiros de plantão.

Inspirada na matéria “Os primeiros 5” do super querido e incrível profissional Benjamin Degenhardt para a revista Pilatesstyle desse mês, e tirando um dos temas que eu tinha guardado na gaveta, resolvi falar hoje sobre os Fundamentos do Método Pilates. 🙂

Joseph Pilates escreveu dois livros:

  • Your Health (Sua saúde)- 1934.
  • Return To Life Through Contrology (Retorno à vida através da Contrologia) – 1945.
A obra completa de Joseph Pilates contendo os seus dois livros. Existe também a versão na língua portuguesa da editora Phorte. Foto: amazon.com

Em ambos os livros ele aborda acima de tudo a importância de hábitos saudáveis para a saúde e qualidade de vida, a importância principalmente da prática de exercícios físicos. O único livro que contém exercícios é o Return to Life, com fotos do próprio Joe realizando muito bem a sua criação por volta dos 60 anos de idade, passo-a-passo de cada movimento descrito e registrado, com detalhes e dicas do próprio criador. É muito curioso pensar que alguns cursos que vendem a Formação Completa do Método Pilates sequer indicam as únicas obras do inventor dessa técnica que dizem ensinar pessoas para se tornarem professores dela. Duvidoso!

A Fundação do Método Pilates está aí, na sua obra deixada pelo próprio criador, Joseph Pilates. É verdade que se não fossem os elders, os anciões primeiros particantes/professores que treinaram com Joseph não tivessem difundido o Método e aberto seus Studios e programas de formação, poderíamos talvez nem conhecer a técnica do Joe. Devemos isso a eles! Porém, cada elder aplicou a sua forma de interpretar o Método, todos organizaram de forma mais didática e muitos acrescentaram suas outras heranças de movimento, juntamente com a sua experiência individual com Joe Pilates, já que as aulas eram em sua maioria individuais e com foco nas particularidades de cada pessoa, fazendo inclusive adaptações caso fosse necessário.

Sabe-se que os ditos 6 Princípios do Método Pilates conhecidos atualmente não foram denominados por Joseph, e sim interpretados pelos elders e seus discípulos. Por isso há diferença de uma escola para outra, umas dizem que são 5, outras citam 8 princípios, algumas dividem ou adicionam. Enfim, o que é unânime são os famosos 6:

  1. Centro
  2. Concentração
  3. Controle
  4. Precisão
  5. Respiração
  6. Fluidez

Todos acreditam que esses princípios é que fazem do Método Pilates (Contrology) uma técnica única, diferente de qualquer outra atividade física. Sim, acredito que esses princípios são de extrema importância para conseguir realizar movimentos eficientes. Mas essa abordagem me parece um pouco ampla demais no sentido inverso, pois vejo muitas pessoas achando proporcional dizer que qualquer movimento, exercício, atividade, ou esporte que você realiza, se estiver “respeitando” estes princípios então é Pilates. Isso é um grande equívoco! Primeiramente por reduzir a técnica a palavras de conceitos abrangentes, com a riqueza que o Método tem de exercícios e máquinas diferenciadas, segundo que o próprio Joseph não denominou tais princípios, e por fim acabam fazendo um efeito contrário, gerando uma desvalorização da técnica de Pilates e das demais técnicas de movimento existentes, fazendo uma comparação e distorção sem sentido. Cuidado! O que tende a ser “tudo” acaba não sendo “nada” no final.

Existem muitas formas de realizarmos movimentos de qualidade, esses princípios nos ajudam muito a chegar lá. Assim como os comandos que também são super importantes, a terminologia única da técnica, as correções posturais ideais para cada corpo, os exercícios preparatórios, etc. Mas tudo isso não faz sentido algum se não for aplicado nos exercícios originais deste Método, que antes foi denominado Contrology, e nos indica o grande sentido: a arte de controlar o corpo através da Contrologia!

Pensando em tudo isso eu cheguei a uma conclusão, os Fundamentos/Princípios do Método Pilates devem ser os seus próprios exercícios! Principalmente os do repertório do Mat Pilates. Faz sentido para vocês também? Acredito que os primeiros exercícios da sequência são a grande fundação do Método, são os movimentos primordiais para que possamos praticar todos os demais e evoluirmos na técnica, afim de colhermos todos os benefícios propostos e conseguirmos evoluir.

É verdade que o Mat é o princípio, agora observe como os seus 8 primeiros exercícios são o começo de tudo! Claro que muitos praticantes não conseguirão fazê-los de primeira, por isso podemos adaptá-los e fazer com que o praticante evolua a partir daqui. E esse crescimento acontece mais rápido do imaginamos, pode acreditar. Pilates é um sistema profundo que requer muita disciplina com uma orientação adequada.

Dos 8 primeiros exercícios, apenas um não ensinamos para o praticante iniciante, é o “The Rollover with Legs Spread“, mas conhecido como Rollover. Mas não demora muito para que isso aconteça, e são exatamente os demais 7 que nos ajudarão a chegar a ele e aos demais sequencialmente. Segue os 8:

  • The Hundred (já fiz post detalhado sobre este aqui)
  • The Roll Up
  • The Rollover With Legs Spread
  • The One Leg Circle
  • Rolling Back
  • The One Leg Stretch
  • The Double Leg Stretch
  • The Spine Stretch

Essa é a base do sistema! Somente após dominarmos a base é que conseguiremos evoluir com segurança e qualidade. Para isso, temos também as fabulosas máquinas criadas por Joe Pilates que também nos ajudam a melhorar a nossa performance no solo e nada mais além de treino, é preciso praticar para desenvolver cada vez mais essas habilidades e colher os frutos no futuro. O importante é levar à sério a Contrologia e só avançar quando estivermos seguros.

Assistam a Fundação do Método Pilates ensinada pela expert Dorothee Vandewalle, uma das mais consagradas Instrutoras de Pilates Autêntico do mundo, filmada para o Pilatesology no seu Studio e Centro de Treinamento Metropolitain Pilates em Seattle, WA, EUA.

Um bom retorno à vida a todos!
Myra

IG: @myrapilates

Principais fontes consultadas:

A Obra Completa de Joseph Pilates. Pilates, J, Miller, W, J. 2010

Pilates Anatomy. Isacowitz, R, Clippinger, K. 2011

Pilates Union

Pilates About

Pilatesstyle

Pilatesology

A Mágica do Círculo – Por Myra Hirano

O Magic Circle é um dos acessórios criados por Joseph Pilates mais populares e também um dos meus prediletos! Inclusive se tornou também conhecido e utilizado fora do ambiente de Pilates conquistando adeptos de todo o mundo fitness. Isso porque o Magic Circle é uma ferramenta versátil, pequena, leve, portátil, barata e eficaz! Ufa!!! Muita magia, não? 🙂

O nome Magic Circle foi dado pelo seu inventor, apesar de ele aparecer no mercado com outros nomes como Flex Ring, Pilates Ring, Fitness Ring, etc. Eu confesso que além de, digamos tradicionalista, prefiro mil vezes esse nome! Sabe-se que Joseph Pilates criou esse acessório para um de seus clientes, com o intuito de ajudar na consciência dos músculos do centro do corpo, o famoso powerhouse.

Joseph Pilates com sua invenção, o Magic Circle, e uma de suas clientes, a cantora de Ópera Roberta Peters em uma sessão de fotos que fizeram para a Revista Life . Fonte: internet.

Ainda que esta ferramenta ajude a fortalecer as pernas, os braços e os músculos internos da coxa, não deve ser usado de maneira precipitada. Isso porque, o aro flexível tem uma resistência leve para moderada. No Método Pilates, aconselha-se apenas os alunos mais avançados a utilizá-lo para aumentar o grau de dificuldade dos exercícios realizados no repertório original de solo (Mat Pilates) ou nos do Reformer, tornando-os mais desafiadores. Já no caso de alunos em fase iniciante e intermediária, podemos utilizar para ajudar o corpo a ter um bom feedback, fazendo a colocação da postura ideal e encontrando músculos mais profundos que estarão sendo solicitados nos exercícios. O Magic Circle não deve ser apertado, portanto, com muita força; ele é mais utilizado para localizar determinados músculos e trabalhar de forma mais localizada.

É verdade também que existem exercícios criados por Joe Pilates exclusivamente com este Círculo Mágico e fazem parte de um pequeno e eficiente repertório catalogado de 13 exercícios que conectam e desafiam o nosso corpo. A seguir, assista um vídeo com alguns desses exercícios ensinados pela Instrutora Alexandra Bohlinger do True Pilates Durham para o portal Pilatesology.

Um bom retorno à vida a todos!

Myra

IG: @myrapilates